Territórios rurais sub-integrados na economia agrária globalizada: o povoado Curral da Igreja, Arari, Maranhão - Brasil

Autores/as

  • Willian Carboni Viana Universidad de Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.26885/rcei.7.1.69

Palabras clave:

território, globalização, espaço agrário, etnogeografia, povoados Arari (Maranhão - Brasil)

Resumen

O estudo das adaptações humanas aos ambientes naturais, dos estilos de vida diferenciados, modos econômicos e manifestações culturais locais é essencial para a compreensão dos territórios, muito especialmente aqueles que não estão integrados ao sistema global, ainda que recebam impactos da globalização. No caso, aborda-se o povoado rural de Curral da Igreja, município de Arari (Maranhão, Brasil), dando conta de aspectos da geografia interna do povoado, destacando os modos de vida dos habitantes e suas representações simbólicas, práticas agrícolas e utilização do rio Mearim como extensão de seu território. A propósito da violência simbólica que a comunidade sofre todos os dias (através da dominação social) busca-se refletir sobre a relação dos seus habitantes com o mundo material, a entrar nos termos da globalização, fragmentação e local.

 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Abramovay, R. (1998). O admirável mundo novo de Alexander Chayanov. Revista Estudos Avançados, 12. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141998000100006

Atlas do Maranhão. (2002). Atlas do Estado do Maranhão. São Luís: Gerências de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico – GEPLAN / Universidade Estadual do Maranhão.

Batalha, J. F. (2002). Navegadores do rio Mearim e os marítimos do Arari. São Luís: Editora Lithograf.

Batalha, J. F. (2011). Um passeio pela história do Arari. São Luís: Editora Lithograf.

Bauman, Z. (2000). Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

Bezerra, A. (2014). Arari: espaço e sociedade. Arari: Instituto Perone.

Canedo, E. V. S. O. (2008). Organização do espaço agrário maranhense até os anos 80: a distribuição de terra e atividades agrícolas (2ª ed.). São Luís: Gráfica e Editora Interativa.

Climate-data. Clima: água doce no Maranhão. Recuperado de https://pt.climate-data.org/location/43993/

Copans, J. (1999). Introdução à Etnologia e à Antropologia. Lisboa: Publicações Europa-América-Coleção Saber.

ESRI. (2011). Sistema de Informação Geográfica. Versão ArcGIS Desktop Release 10. Redlands, CA: Instituto de Pesquisa de Sistemas Ambientais.

Fernandes, J. (2008). Gente e coisas da minha terra. São Luís: Editora Lithograf, 186 p.

Fróis, K. P. (2004). Globalização e cultura: a identidade no mundo de iguais. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, (62). Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/1201

G1-Maranhão. (2012). Agricultores da cidade de Arari se preparam para o plantio do arroz. São Luís: G1-MA/ TV Mirante. Recuperado de http://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2012/09/ agricultores-da-cidade-de-arari-se- preparam-para-o-plantio-do-arroz.html

Google Earth. (2016). Sistema de Informação Geográfica. Versão Pro.Ink. Estados Unidos: Google LLC.

Guimarães, M. D. A. (2013). Desenvolvimento Rural: territórios e redes (Tese de Doutorado). Seropédica: Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, programa de pós-graduação em Ciências Sociais, Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade.

Haesbaert, R. & Limonad, E. (2007). O território em tempos de Globalização. Etc, Espaço, Tempo e Crítica. Revista Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas e Outras Coisas, 1(2). Recuperado de http://www.uff.br/etc/UPLOADs/etc%202007_2_4.pdf

Haesbaert, R. (2010). Regional-Global: dilemas da região e da regionalização na Geografia contemporânea. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil.

Hauresko, C. & Ferreira, E. R. (2012). A manutenção de práticas tradicionais e a adoção de inovações nas comunidades faxinalenses do Paraná. In: D. A. Oe O. Ferreira, D. A. de O. E. R Ferreira (Eds.), Geografia e Território: interpretações do espaço brasileiro. Rio Claro: IGCE/ UNESP - Pós-graduação em Geografia.

IBGE. (2010). Censo. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e estatística - IBGE. Recuperado de www.ibge.com.br.

Império do Brasil. (1985). Coleção das Leis do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca da Câmara dos Deputados. Recuperado de http://bd.camara.gov.br/bd/ handle/bdcamara/18364

Knappet, C. (2014). Materiality in archaeological theory (4700-4708). In:C. Smith (Ed.), Encyclopedia of Global Archaeology. New York: Spinger.

Lefébvre, H. (1992). The Production of Space. Oxford: Editora Basil Blackwell.

Maranhão Geológico. (2011). Mapa Pedológico do Maranhão. Escala: 1:1.400.000. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE/ Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais.

Maranhão Geomorfológico. (2011). Mapa Pedológico do Maranhão. Escala: 1:1.400.000. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE/ Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais.

Marques, H. T. G. (2008). Porquê (e razões para) a mitificação do campo. Comunicação apresentada no VII Colóquio Ibérico de Estudos Rurais - Cultura, Inovação e Território, Coimbra.

Oliveira, A. U. (2012). A Mundialização da Agricultura brasileira. Anais do XII Colóquio Internacional de Geocrítica. Bogotá.

Panta, R. L. S. (2015). O processo de monopolização do território pelo capital financeiro nos assentamentos rurais da reforma agrária em Sapé (Tese de mestrado). João Pessoa, PB: Universidade Federal da Paraíba. Recuperado de http://www.ccen.ufpb.br/ppgg /contents/documentos/dissertacoes/romulo_panta.pdf

Pedrosa, L. A. C. (2003). A questão agrária no Maranhão. Associação Brasileira de Direito Agrário. Recuperado de http://abda.com.br/texto/LuisACPedrosa.pdf

Pires, M. J. P. & Pereira, M. S. (1985). História e vida de Arari. Arari: Departamento de Educação, Cultura e Lazer, 40 p.

Rio Fernandes, J. A., Trigal, L. L. & Sposito, E. S. (2016). Dicionário de Geografia Aplicada: terminologia da análise, do planejamento e da gestão do território. Porto: Porto Editora.

Santos, M. Sousa, M. A. A. de & Silveira, M. L. (1999). Território: globalização e fragmentação (4a ed.). São Paulo: Editora Hucitec.

Santos, R. H. (2008). Aqui estou, aqui faço o meu lugar: um estudo sobre percepções e manejo do ambiente entre camponeses, na comunidade de Barra do Pacuí, município de Ibiaí-MG (Tese de mestrado). Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia.

Silva, Í. A. (2006). Agricultura familiar, políticas públicas e participação social em Nova Friburgo - RJ. In Anais do II Encontro de Grupos de Pesquisa da Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia.

Silva, S. F. & Leite, C. M. C. (2018). Etnogeografia Potiguara da Paraíba: reflexões sobre o ensino da Geografia em escolas indígenas. Revista Okara - Geografia em Debate, 12(1), 80-101. Recuperado de http://www.okara.ufpb.br

Souza, A. F. G. (2013). Ser, Estar, Permanecer: vínculos territoriais das gentes que povoam as margens e ilhas do Rio São Francisco (Tese de doutorado). Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia.

Souza, O. T. & Brandenburg, A. (2010). A quem pertence o espaço rural? As mudanças na relação sociedade/natureza e o surgimento da dimensão pública do espaço rural. Revista Ambiente & Sociedade, 18(1), 51-64. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2010000100001.

Souza, R. A. (2014). Morar na caatinga: arqueologia do século XX no semiárido. Laboratório Virtual de Arqueologia da Universidade de Campinas. Recuperado de http://www.arqueologiapublicalap.blogspot.com.br/2014/02/morar-na-caatingaarqueologiadose culo.html

Zanettini, P. E. (1996). Por uma arqueologia de Canudos e dos brasileiros iletrados. Revista Canudos, 167-171.

Zanettini, P. E. (2005). Maloqueiros e seus palácios de barro: o cotidiano doméstico na casa bandeirista (Tese de Doutorado). São Paulo: Universidade de São Paulo - USP, programa de pós-graduação em Arqueologia.

Publicado

2018-11-15

Cómo citar

Carboni Viana, W. . (2018). Territórios rurais sub-integrados na economia agrária globalizada: o povoado Curral da Igreja, Arari, Maranhão - Brasil. Revista Científica Estudios E Investigaciones, 7(1), 69-91. https://doi.org/10.26885/rcei.7.1.69

Número

Sección

Artículos Originales